Estudos tematicos eTeologicos da palavra de Deus bons estudos nosso desejo e compartilhar as benção de Deus atraves de sua palavra
Sexta-feira, 26 de Março de 2010
AMOR

AMOR

O amor é um tema muito importante para os cristãos. Jesus ensinou que os mandamentos mais importantes eram amar a Deus e amar o nosso próximo; eles sintetizavam todos os outros mandamentos que Deus deu a Moisés. Paulo e João também escreveram sobre o amor como sendo a parte mais importante na vida de um cristão. Dado à importância de seu conhecimento, vejamos o que a Bíblia nos diz sobre isso.

NO VELHO TESTAMENTO
No Velho Testamento, o amor erótico é abordado nas estórias de Adão e Eva, Jacó e Raquel e em Cântico dos Cânticos. Uma forma mais profunda de amor, envolvendo lealdade, constância e bondade é expressa em hebraico pela palavra “hesed”.
O verdadeiro significado dessa palavra está claro em Oséias 2:19-20: “Desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias; desposar-te-ei comigo em fidelidade e conhecerás ao Senhor”.
No Velho Testamento muitos profetas alertaram o povo de Israel sobre o fato de que Deus, em seu amor, estava decidido a disciplinar seu povo se fosse desobedecido. Mesmo sendo necessário disciplinar, o amor de Deus não muda. Durante o exílio, o amor de Deus se manteve com infinita paciência e não abandonou os israelitas mesmo quando o desobedeciam. O amor de Deus traz em si bondade, ternura e compaixão (Salmos 86:15; 103:1-18; 136 e Oséias 11:1-4). Entretanto, sua principal característica é a obrigação moral para com o bem-estar do outro.
Embora o amor de Deus seja incondicional, Ele esperava que os israelitas correspondessem aos Seus atos de amor. A lei de Deus os encorajava a serem gratos por sua redenção (Deuteronômio 6:20-25). Deus esperava que mostrassem isso sendo bondosos para com os pobres, os fracos, os estrangeiros, escravos, viúvas e todas as pessoas que sofriam qualquer tipo de crueldade. De igual modo, Oséias esperava que o amor constante entre os israelitas resultasse do amor constante que Deus havia mostrado por eles. (Oséias 6:6, 7; 7:1-7 e 10:12-13).
Assim, amor a Deus e ao “próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18) estão interligados nas leis e profecias de Israel. A forma de amor mais importante descrita no Velho Testamento era baseada em três idéias principais: o amor de Deus pelos israelitas, a qualidade moral do amor e o íntimo relacionamento entre o amor a Deus e o amor ao próximo.

NO NOVO TESTAMENTO
Os gregos empregavam três palavras para amor: “Eros”, amor sexual, que não ocorre no Novo Testamento; “phileo”, afeição natural, ocorre cerca de 25 vezes: “ágape”, benevolência ou boa disposição moral que resulta de respeito, princípio ou obrigação em vez de atração. “Ágape” e “hesed” envolvem uma idéia de dedicação. Ágape significa exatamente amar o indigno, a despeito de desapontamento e rejeição. Ágape se aplica muito apropriadamente ao amor divino.

NOS EVANGELHOS SINÓTICOS
Jesus demonstrou seu amor divino através da compaixão, da cura milagrosa de pessoas que sofriam e de sua preocupação com os que viviam alienados ou em desespero. Por isso, o reino sobre o qual lhes falava, oferecia boas novas para os pobres, cativos, cegos e oprimidos (Mateus 11:2-5; Lucas 4:18). Sua atitude para com os desesperados e os aflitos assegurava-lhes perdão e um abençoado retorno à família de Deus (Lucas 15). O perdão de Jesus era gratuito e para aceitá-lo Ele só requeria que as pessoas se arrependessem e fossem fiéis, amando a Deus e às outras pessoas do mesmo modo que Deus as amava (Mateus 5:44-48).
As idéias de Jesus sobre amar a Deus eram claramente ilustradas pelos seus hábitos de adoração em público, oração a sós e absoluta obediência à vontade de Deus. A parábola do bom samaritano é um dos numerosos exemplos em que Jesus mostra que o “próximo” é qualquer um que esteja ao alcance de nossa ajuda e que o amor envolve qualquer serviço que a situação requer. A parábola das ovelhas e das cabras mostra que amor inclui alimentar o faminto, vestir o que está nu, visitar o doente e o que está preso. Com sua vida aprendemos que o amor cura, ensina, defende os oprimidos, perdoa e conforta os que têm dor. Devemos amá-lo como Ele nos amou. Esse amor não espera nada em troca, nunca retorna mal com mal e julga com sabedoria.

NOS ESCRITOS DE PAULO
Os apóstolos que ajudaram na formação das primeiras igrejas cristãs entenderam a revolucionária idéia de que o amor se bastava. Paulo, reforçando a opinião de Jesus, declarava que o amor abrange toda a lei. Sua explicação sobre vários mandamentos contra o adultério, assassinato, roubo e cobiça se resume no amor, porque o amor não causa dano (Romanos 13:8-10). Em Efésios 4:25-5:2 lemos que toda amargura, raiva, mentira, roubo, calúnia e malícia devem ser substituídas por ternura, perdão, bondade e amor.

NOS ESCRITOS DE JOÃO
Para João, o amor era o início de tudo, “Porque Deus amou o mundo” (João 3:16; 16:27 e 17:23). O amor é a crença fundamental dos cristãos, porque Deus é amor (João 4:8 e 16:1). A vinda de Jesus ao mundo e sua morte na cruz nos mostram isso (I João 4:9-10).
A idéia cristã de amor só pode ser preenchida num grupo de cristãos que se mantêm em comunhão. Todos os cristãos experimentam o amor de Deus quando passam a crer em Jesus e praticam esse amor entre si. Porque Deus é amor, isto é central, essencial e indispensável para o Cristianismo.



publicado por ribeiro335 às 14:55
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

INTRODUÃO DE APOCALIPESE

ABSALÃO

AARÃO

...

...

BATISMO GAMARRA

video de batismo são lour...

Como tomar posse da Bençã...

Minhas mensagens

OBSERVÂNCIA NÃO É RESTRIÇ...

arquivos

Outubro 2011

Junho 2011

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds